Boletim Nº4: O Brasil no Pisa – a base e o topo

69

Qual o desempenho dos estudantes brasileiros em relação aos estudantes de outros países? Como se posicionam os melhores alunos em avaliações internacionais? E os piores? Como esse desempenho escolar pode interferir na economia do país? Em sua 4ª edição, o Boletim IDados da Educação faz uma análise dessas questões a partir dos resultados dos estudantes brasileiros no Pisa (Programme for International Student Assessment/ Programa Internacional de Avaliação de Estudantes).

O Pisa é uma avaliação realizada a cada três anos pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para mensurar o nível de conhecimento de estudantes na faixa dos 15 anos de idade em três áreas: Linguagens, Matemática e Ciências. A última edição, com dados de 2012, compara o nível de estudantes em 65 países e economias. Desses, 34 são países ricos integrantes da OCDE. Os demais são grupos econômicos, como Hong Kong, Xangai e Macao, e nações convidadas, como o Brasil.

Esta análise inédita feita pelo Boletim IDados da Educação revela qual o desempenho dos melhores e dos piores estudantes brasileiros em comparação com as demais nações avaliadas. O primeiro aspecto de destaque apontado pelos dados é que 5% dos alunos com melhores notas do Brasil têm resultado equivalente à média dos alunos da OCDE.

O Boletim alerta para o fato de que, além de estar aquém do desejado, o desempenho dessa elite escolar está estagnado desde 2003. Dada a comprovada importância das elites intelectuais para o desenvolvimento econômico de um país, esse fato deveria constituir um sinal vermelho para os responsáveis pela formulação e implementação de políticas econômicas do país e também para a classe empresarial.

Outro aspecto demonstrado no Boletim é que a melhoria no desempenho dos estudantes – principalmente aqueles com piores notas – se deve sobretudo a dois fatores alheios à melhoria na qualidade do ensino. Primeiro, o Pisa passou a incluir perguntas mais simples, algo que por si facilita o melhor desempenho de alunos ruins. Segundo, a ampliação da oferta de pré-escola no Brasil, responsável por aumentar o número de anos na Educação Básica, ajudou a melhorar o resultado dos alunos ao longo dos anos.

Diante dos dados, o Boletim faz uma projeção para os próximos anos e mostra que na hipótese de aumento de 1,5% na nota média do Brasil no Pisa a cada três anos, só atingiremos a atual nota média dos países da OCDE em 2060. Como é pouco provável que o Brasil – ou qualquer país – consiga manter um ritmo de melhoria constante no Pisa, o Boletim IDados da Educação lança uma pergunta final: que medidas o Brasil precisaria tomar para dar um salto real na qualidade da educação?

O Boletim IDados da Educação N.4 está dividido em oito partes. Em cada uma das sete primeiras partes explicamos um aspecto do desempenho dos brasileiros no Pisa e sugerimos itens para reflexão. A oitava parte apresenta algumas questões sugeridas pelo texto, com o objetivo de suscitar debate na comunidade empresarial e acadêmica, na mídia e na sociedade em geral.

Para baixar o Boletim completo em seu computador ou smartphone, preencha o formulário.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.