Início Educação Avaliações e indicadores educacionais Como evoluíram as notas das redes municipais na Prova Brasil entre 2011...

Como evoluíram as notas das redes municipais na Prova Brasil entre 2011 e 2019?

Alagoas, Ceará, Pernambuco, Piauí e Acre conseguiram aumentar a nota em mais de 25 pontos. Já as redes municipais de Minas Gerais e Rio de Janeiro apresentaram o menor ganho no período

Este post avalia o desempenho das redes municipais de ensino dentro de um mesmo estado. Com dados da Prova Brasil de Matemática para o 5º ano do ensino fundamental, a Figura 1 mostra a diferença na nota entre 2011 e 2019.

As redes municipais de Alagoas foram as que mais melhoraram no período – aumentaram em 38,8 pontos –, seguidas das redes municipais do Ceará (31,6 pontos). Na média, todas as redes municipais do Brasil subiram 18 pontos na prova.

Além de Alagoas e Ceará, as redes municipais de mais três estados – Pernambuco, Piauí e Acre – conseguiram aumentar a nota em mais de 25 pontos, o equivalente a 0,5 desvio-padrão da prova, num período de oito anos.

Contrariamente, as redes municipais de Minas Gerais e Rio de Janeiro apresentaram o menor ganho no período (6,5 e 4,9 pontos respectivamente), o que indica estabilidade da nota dos alunos das redes municipais.

As redes municipais de Alagoas e Ceará ocupavam a 26ª e 10ª posição, respectivamente, no ranking dos 26 estados em 2011 (DF não possui rede municipal). Com os ganhos obtidos ao longo de quatro edições da prova Alagoas ganhou nove posições e Ceará, seis, passando a ocupar, respectivamente, a 17ª e 4ª posições no ranking de 2019 (último ano de edição da Prova com dados disponíveis).

Já as redes municipais de Minas Gerais e Rio de Janeiro – que eram a 1ª e 5ª colocadas no ranking de estados em 2011 – perderam posições e passaram a ser a 5ª e 11ª colocadas, respectivamente, em 2019. Vale destacar que é mais fácil melhorar quem está pior do que quem está melhor.

A Figura 2 apresenta uma medida de desigualdade de nota nas redes municipais de um mesmo estado. Altos valores de dispersão implicam maior desigualdade, enquanto valores menores implicam uma maior concentração das notas em torno da média.

De uma forma geral, a desigualdade aumentou juntamente com a melhora de desempenho. As redes municipais de Alagoas, por exemplo, tinham uma das menores dispersões em 2011 e passaram a ter a segunda maior. Já as redes municipais de Minas Gerais e Rio de Janeiro, que pouco avançaram no desempenho, reduziram a desigualdade de notas dos alunos.

A exceção é o Paraná, que conseguiu aumentar 21,9 pontos na prova e reduzir desigualdade. As redes municipais deste estado saíram da 3ª posição em 2011 para 1ª em 2019 em termos de desempenho.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile