Quanto você vai perder com a PEC da Previdência?

290

Dando continuidade ao debate em torno da Reforma da Previdência, aprofundo aqui a análise esclarecendo o impacto real da PEC 287 para os cidadãos.

A PEC da Previdência altera a regra atual e exige mais tempo de contribuição para receber um benefício menor. Veja abaixo como a mudança de regra afeta as pessoas.

O Quadro 1 compara as regras para obter o benefício da aposentadoria pelo Regime Geral (INSS) e PEC.

 

Quadro 1 – Comparação do regime atual com a PEC

quadro-1

Elaboração: IDados
(*) O fator previdenciário leva em conta: (a) o tempo de contribuição; (b) idade ao aposentar; (c) índice de 0,31 que afeta o tempo de contribuição; e (d) expectativa de sobrevida calculada anualmente pelo IBGE.
(**) Nessa regra o contribuinte deve somar um número mínimo de 95 pontos se homem e de 85 pontos se mulher. Pontos = tempo de contribuição + idade ao se aposentar.

 

As principais diferenças do regime atual com a PEC são: (1) a idade mínima para aposentar;  (2) a eliminação da diferença de tempo de contribuição entre homens e mulheres; (3) a base para calcular as contribuições, que passa a ser a média de todas as contribuições; e (4) o percentual menor para o cálculo do valor da aposentadoria (51%). Isso faz com que a pessoa precise trabalhar por mais tempo do que o mínimo exigido (25 anos de contribuição + 65 anos de idade) se quiser obter a aposentadoria integral.

O Quadro 2 simula a diferença do valor da aposentadoria na regra atual e de acordo com a PEC 287.  O exemplo utilizado supõe um contribuinte do sexo masculino, pois isso faz diferença na regra atual.

 

Quadro 2 – Simulação de aposentadoria no regime atual e na PEC

quadro-2

Elaboração: IDados
(*) Não existe aposentadoria antes dos 65 anos.
(** ) Nesses casos a pessoa receberia o piso do benefício de um salário mínimo (R$ 937,00)
(***) Usamos o tipo de previdência mais benéfico para o cálculo da aposentadoria (nas linhas 3 e 6 a aposentadoria é de R$ 1000 no regime atual porque usa a regra 85/95 que é mais benéfica do que aplicar o fator beneficiário)

 

O Quadro 2 ilustra que há perda no valor da aposentadoria em todos os casos, independentemente de idade inicial, idade ao se aposentar e tempo de contribuição.

Além disso, o novo regime também impede que a pessoa se aposente antes da idade mínima (65 anos), ainda que venha a receber um valor menor.  No regime atual, o fator previdenciário puni quem se aposenta cedo mas bonifica quem se aposenta mais tarde dando um benefício maior que a média de salário de contribuição.

Em síntese: a PEC propõe que as pessoas deverão trabalhar mais tempo para receber uma aposentadoria menor do que ocorre com o regime atual. A justificativa apresentada pelo governo é a de que o regime atual é insustentável, sendo assim, uma Reforma da Previdência sempre trará algum tipo de perda ao trabalhador em relação ao regime atual. Portanto, a opção não é entre manter o regime atual e oferecer um regime mais severo, mas sim entre mudar para um regime mais severo e enfrentar uma situação de crise no sistema previdenciário.

 

1 COMENTÁRIO

  1. Esta Reforma da Previdência é totalmente desumana, idade mínima de 65 anos é totalmente irreal e imoral, prejudica e muito o trabalhador brasileiro.
    Que nossos deputados tenham um pouco de sensibilidade, pois estão lidando com seres humanos não com máquinas….!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui