IDados no G1: Trabalhador menos qualificado será o mais atingido pelo desemprego

Um levantamento realizado pelo pesquisador Bruno Ottoni, da consultoria IDados, foi destaque para a matéria principal do Caderno de Economia do G1, no dia 01 de julho.

O estudo, realizado com base em dados do IBGE, identificou que 1,3 milhões de idosos deixaram de trabalhar ou procurar emprego no primeiro trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Leia também: CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS QUE SAÍRAM DO MERCADO DE TRABALHO EM FUNÇÃO DA CRISE DA PANDEMIA DE COVID-19

Apesar de ser esperado que as pessoas mais velhas, inclusive devido a aposentadorias, sejam proporcionalmente as que mais saiam da força de trabalho, mas Ottoni diz que ficou impressionado com o volume. O especialista  lista como hipóteses para a aceleração da saída dos mais velhos do mercado de trabalho a decisão de pessoas já aposentadas de deixar um trabalho informal para ficar em casa ou a opção dos empregadores por funcionários mais jovens e menos vulneráveis à Covid-19.

Confira na íntegra aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.