IDados no G1: Trabalhador menos qualificado será o mais atingido pelo desemprego

474

Um levantamento realizado pelo pesquisador Bruno Ottoni, da consultoria IDados, foi destaque para a matéria principal do Caderno de Economia do G1, no dia 01 de julho.

O estudo, realizado com base em dados do IBGE, identificou que 1,3 milhões de idosos deixaram de trabalhar ou procurar emprego no primeiro trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Leia também: CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS QUE SAÍRAM DO MERCADO DE TRABALHO EM FUNÇÃO DA CRISE DA PANDEMIA DE COVID-19

Apesar de ser esperado que as pessoas mais velhas, inclusive devido a aposentadorias, sejam proporcionalmente as que mais saiam da força de trabalho, mas Ottoni diz que ficou impressionado com o volume. O especialista  lista como hipóteses para a aceleração da saída dos mais velhos do mercado de trabalho a decisão de pessoas já aposentadas de deixar um trabalho informal para ficar em casa ou a opção dos empregadores por funcionários mais jovens e menos vulneráveis à Covid-19.

Confira na íntegra aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui