IDados no Valor: Qualificado apela para trabalho por conta própria

143
trabalho por conta própria

A fatia dos trabalhadores que apresentam ensino superior (completo ou incompleto) que estão trabalhando por conta própria avançou de 18,8% no primeiro trimestre de 2020 para 20,9% no segundo trimestre de 2021. Essa parcela era de 16,2% no primeiro trimestre de 2018 e de 17,7% primeiro trimestre de 2019. É o que mostra um estudo realizado pela consultoria IDados com exclusividade para o jornal Valor Econômico.

Leia também: Avanço da informalidade impulsiona queda do desemprego

A participação de quem tem ensino médio (completo ou incompleto), por sua vez, passou de 36,7% para 38,2%, considerando a mesma base de comparação. Neste caso os números também eram menores anteriormente: 34,4% (primeiro trimestre de 2018) e 35,6% (primeiro trimestre de 2019). O trabalho usa como base os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE.

Falta de empregos de qualidade na quantidade necessária, estrutura produtiva que não comporta o avanço da força de trabalho mais qualificada e algum efeito composição – com saída de trabalhadores menos escolarizados do mercado – são algumas das razões que contribuem para a mudança na distribuição dos trabalhadores por conta própria no pós-pandemia, segundo o grau de instrução.

“Há um aumento da proporção de trabalhadores mais escolarizados entre os que trabalham por conta própria. Apesar de estar evoluindo, o mercado de trabalho não está com desempenho tão expressivo a ponto de oferecer postos de trabalho com qualidade. Então até os trabalhadores mais qualificados acabam aceitando alternativas de empregos de pior qualidade”, afirma Bruno Ottoni, pesquisador responsável pelo estudo.

Leia a matéria completa aqui ou abaixo:

trabalho por conta própria Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://valor.globo.com/brasil/noticia/2021/10/25/qualificado-apela-para-trabalho-por-conta-propria.ghtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui