O mercado de trabalho no Brasil e, em especial, no Rio de Janeiro

223

Por IDados

Entre 2010 e 2014, o país teve um superávit de 5.454,632 empregos com carteira assinada. Com a forte crise econômica recente, a situação se inverteu e o país teve um déficit de 1.625,551 empregos em 2015 e de 1.371,363 em 2016 – quase três milhões somente nos dois anos. Ainda que timidamente, em 2017 o mercado de trabalho se recuperou – até novembro, tivemos um superávit de 205.111 novos empregos com carteira assinada.

Já o mercado de trabalho no Estado do Rio de Janeiro também teve um começo de década muito bom: entre 2010 e 2014, registrou-se um superávit de 570 mil empregos formais. Em 2015, começou a grande leva de dispensas, e o ano fechou com um déficit de 178.822 empregos. Em 2016, a situação só piorou: menos 241.581 empregos, no balanço entre contratações e demissões. Nos dois anos, a conta ficou negativa em 420 mil empregos. A situação melhorou um pouco em 2017 (entre janeiro e novembro), mas o Rio de Janeiro continuou com um saldo negativo de quase 85 mil empregos.

O déficit de empregos no Rio de Janeiro em 2017 se deu em todos os setores. Veja a tabela abaixo:

 

Rio de Janeiro – balanço de empregos entre janeiro e novembro de 2017 – (fonte: CAGED):

Setores / períodos 2017
Administração Pública -2.077
Agropecuária -819
Comércio -11.131
Construção civil -17.101
Extrativa mineral -1.609
Indústria de transformação -10.036
Serviço Ind. de Util. Pública -1.166
Serviços -40.737
TOTAL – 84.676

 

O Rio de Janeiro é um dos 10 estados que em 2017 ficaram no vermelho no que concerne ao balanço de empregos. Os demais são Alagoas, Pernambuco, Pará, Paraíba, Maranhão, Sergipe, Ceará, Acre e Amapá.

Na outra ponta, com saldo positivo, destacam-se São Paulo (92.357), Minas Gerais (51.884), Santa Catarina (49.059), Paraná (32.743), Goiás (30.581) e Rio Grande do Sul (13.090).

Mesmo situados cada qual nas duas extremidades da tabela – São Paulo com o melhor saldo de empregos entre janeiro e novembro de 2017 (tendo se recuperado de um déficit de mais de 400 mil em 2016), e o Rio de Janeiro com o pior -, os dois estados, de acordo com a PNAD Contínua, apresentavam, no terceiro trimestre de 2017, uma taxa de desocupação alta – 14,5% no Rio de Janeiro e 13,2% em São Paulo, sendo de 12,4% a média no país.

 

Taxa de desocupação (valores referentes ao terceiro trimestre de cada ano) – Fonte: PNAD Contínua:

2012 2013 2014 2015 2016 2017
RJ 7,4% 6,8% 6,1% 8,2% 12,1% 14,5%
SP 6,9% 7,3% 7,2% 9,6% 12,8% 13,2%
Brasil 7,1% 6,9% 6,8% 8,9% 11,8% 12,4%

 

A análise do comportamento dos mercados de trabalho fluminense e paulista não deve se basear apenas nos dados do CAGED. Outros pontos devem ser considerados, como o peso maior de alguns setores no balanço de vagas, as taxas de informalidade e também a participação dos trabalhadores por conta própria no conjunto da informalidade. Mas isso fica para um próximo post.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui