Distribuição geográfica dos trabalhadores que ganham um salário mínimo ou menos

A proporção de trabalhadores que recebe um salário mínimo ou menos difere bastante de acordo com a grande região analisada e a crise provocou um aumento da proporção de trabalhadores que recebem um salário mínimo ou menos tanto no Brasil como um todo quanto na maior parte das grandes regiões.

489
salário mínimo

Este levantamento procura analisar a distribuição geográfica do trabalhador brasileiro que ganha um salário mínimo ou menos. A ideia é complementar levantamentos anteriores que também procuraram analisar aspectos específicos desses trabalhadores (ver aqui e aqui).

O levantamento utiliza dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes aos terceiros trimestres de 2015 e 2019. O foco apenas no 3º trimestre destes dois anos visa simplificar a análise, ao considerar apenas os anos necessários para extrair as conclusões discutidas aqui.

A tabela 1 mostra que, no 3º trimestre de 2015, havia 25,5 milhões de trabalhadores recebendo um salário mínimo ou menos, o que corresponde a aproximadamente 28,8% dos trabalhadores. Naquele momento, o Brasil tinha cerca de 88,6 milhões de pessoas ocupadas.

O número para o Brasil como um todo é interessante, mas esconde as expressivas diferenças que existiam entre as cinco grandes regiões brasileiras no 3º trimestre de 2015. Regiões como a Norte e a Nordeste, por um lado, apresentavam elevada proporção de trabalhadores recebendo um salário mínimo ou menos (54,4% na Norte e 41,8% na Nordeste). Já as regiões Sul e a Sudeste, por outro lado, apresentavam reduzida proporção de trabalhadores recebendo um salário mínimo ou menos (15,8% na Sul e 18,7% na Sudeste).

Focando tanto no Brasil como um todo quanto separadamente nas cinco grandes regiões do país, a tabela 2 mostra como a crise afetou os trabalhadores que ganhavam um salário mínimo ou menos. Comparam-se dados de 2015, primeiro ano da crise, e de 2019, últimos divulgados. Para controlar para efeitos sazonais, a comparação é feita apenas entre o 3º trimestre de ambos os anos.

Os dados apresentados na Tabela 2 mostram que a crise aumentou a proporção de trabalhadores recebendo um salário mínimo ou menos. No caso do Brasil como um todo, a crise provocou um crescimento de +1,0 ponto percentual (p.p.) na proporção de trabalhadores recebendo um salário mínimo ou menos. O número aumentou de 28,8% no 3º trimestre de 2015 para 29,8% no 3º trimestre de 2019.

No caso das grandes regiões, a crise provocou aumento na proporção de trabalhadores recebendo um salário mínimo ou menos em três delas – Norte (+4,0 p.p.), Sudeste (+2,2 p.p.) e Centro-Oeste (+1,7 p.p.) -, e praticamente não teve efeito sobre duas – Nordeste (+0,5 p.p.) e Sul (-0,4 p.p.).

Em resumo, dois fatos chamam atenção neste levantamento. Primeiro, a proporção de trabalhadores que recebe um salário mínimo ou menos difere bastante de acordo com a grande região analisada. Segundo, a crise provocou um aumento da proporção de trabalhadores que recebem um salário mínimo ou menos tanto no Brasil como um todo quanto na maior parte das grandes regiões.

[vc_raw_js]JTNDZGl2JTIwY2xhc3MlM0QlMjJpbmZvZ3JhbS1lbWJlZCUyMiUyMGRhdGEtaWQlM0QlMjIwYmU3ZmU2Zi0wODczLTQ0OTItYWNkOC0xNWZhNDE5MmE0NGQlMjIlMjBkYXRhLXR5cGUlM0QlMjJpbnRlcmFjdGl2ZSUyMiUyMGRhdGEtdGl0bGUlM0QlMjJEaXN0cmlidWklQzMlQTclQzMlQTNvJTIwZ2VvZ3IlQzMlQTFmaWNhJTIwZG9zJTIwdHJhYmFsaGFkb3JlcyUyMHF1ZSUyMGdhbmhhbSUyMHVtJTIwc2FsJUMzJUExcmlvJTIwbSVDMyVBRG5pbW8lMjBvdSUyMG1lbm9zJTIyJTNFJTNDJTJGZGl2JTNFJTNDc2NyaXB0JTNFJTIxZnVuY3Rpb24lMjhlJTJDaSUyQ24lMkNzJTI5JTdCdmFyJTIwdCUzRCUyMkluZm9ncmFtRW1iZWRzJTIyJTJDZCUzRGUuZ2V0RWxlbWVudHNCeVRhZ05hbWUlMjglMjJzY3JpcHQlMjIlMjklNUIwJTVEJTNCaWYlMjh3aW5kb3clNUJ0JTVEJTI2JTI2d2luZG93JTVCdCU1RC5pbml0aWFsaXplZCUyOXdpbmRvdyU1QnQlNUQucHJvY2VzcyUyNiUyNndpbmRvdyU1QnQlNUQucHJvY2VzcyUyOCUyOSUzQmVsc2UlMjBpZiUyOCUyMWUuZ2V0RWxlbWVudEJ5SWQlMjhuJTI5JTI5JTdCdmFyJTIwbyUzRGUuY3JlYXRlRWxlbWVudCUyOCUyMnNjcmlwdCUyMiUyOSUzQm8uYXN5bmMlM0QxJTJDby5pZCUzRG4lMkNvLnNyYyUzRCUyMmh0dHBzJTNBJTJGJTJGZS5pbmZvZ3JhbS5jb20lMkZqcyUyRmRpc3QlMkZlbWJlZC1sb2FkZXItbWluLmpzJTIyJTJDZC5wYXJlbnROb2RlLmluc2VydEJlZm9yZSUyOG8lMkNkJTI5JTdEJTdEJTI4ZG9jdW1lbnQlMkMwJTJDJTIyaW5mb2dyYW0tYXN5bmMlMjIlMjklM0IlM0MlMkZzY3JpcHQlM0U=[/vc_raw_js]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui