Que estratégia adotar no retorno às aulas?

retorno às aulas

O governo do estado de São Paulo determinou o retorno ao ensino presencial. Com o avanço da vacinação, outros estados e municípios devem fazer o mesmo nas próximas semanas, se ainda não o fizeram. A questão agora é saber que estratégias serão adotadas para tentar recuperar o nível de ensino no país. Este post discute o agrupamento de alunos por nível de desempenho (tracking).

A ideia básica do tracking é oferecer um ensino mais direcionado aos alunos de acordo com suas capacidades e ritmo de aprendizado. Para isso, é necessário separar os alunos que estão em diferentes estágios de aprendizagem em turmas diferentes. Isso faria sentido no atual contexto pós-quarentena, uma vez que, sem ações coordenadas de estados e municípios, é possível que as diferenças entre alunos tenham aumentado. Nesse sentido, direcionar os estudos para o nível em que se encontra cada aluno pode ser uma opção para retomar o aprendizado mais rapidamente.

Por outro lado, um possível efeito adverso do tracking é a perda do chamado efeito dos pares (peer effect), isto é, a melhora de um aluno a partir da convivência com alunos de melhor desempenho. Ao privar alunos de baixo desempenho do convívio com alunos de desempenho mais alto, o desempenho dos primeiros poderia piorar ainda mais. No entanto, isso poderia ser compensado com a alocação dos melhores professores para alunos com baixo desempenho.

A tabela abaixo mostra que, no Brasil, a prática de tracking não é comum na rede pública. Apenas 8,7% das escolas participantes da Prova Brasil em 2019 adotavam essa estratégia como um dos critérios para formação das turmas. É maior, por exemplo, a porcentagem de escolas que separavam alunos por meio de critérios disciplinares, 10,9%.

Há diversos estudos na literatura acadêmica mostrando que o tracking beneficia tanto os melhores quanto os piores alunos, mesmo em países em desenvolvimento. O cuidado que se deve ter ao adotar a estratégia é não direcionar a maior parte dos recursos para os melhores alunos, sob o risco de prejudicar os de baixo desempenho. Em 2019, pouco mais da metade das escolas alocavam professores mais experientes nas turmas com mais dificuldade de aprendizagem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui