As universidades públicas estão olhando para o contexto econômico na hora de decidir a oferta de vagas e cursos?

451

Este post analisa a contribuição das redes pública e privada de Ensino Superior na formação de mão-de-obra mais qualificada para o mercado de trabalho brasileiro. A figura abaixo mostra a porcentagem de concluintes proveniente das universidades públicas, por área de formação e ano (2009 e 2019). No post anterior, analisamos o número de concluintes do Ensino Superior por área geral de formação.

O número de concluintes aumentou quase 300 mil no período, alcançando 1,25 milhão. Essa expansão pouco alterou a distribuição por rede: como mostra a figura, aproximadamente dois em cada 10 concluintes eram de universidades públicas em 2019, proporção um pouco menor que 10 anos antes (21,6%). Vale destacar que o setor público manteve sua participação mesmo diante do aumento dos concluintes de cursos de ensino à distância (EaD), onde o setor privado responde por 96% dos concluintes.

Analisando o quadro por área de formação, observa-se uma redução da participação do setor público em Engenharia, Produção e Construção e em Agricultura, Silvicultura, Pesca e Veterinária, áreas de maior crescimento relativo no período. A participação do setor público caiu aproximadamente 14 pontos percentuais (p.p.) na primeira e 11 p.p. na segunda.

Além disso, embora tenha aumentado a participação das universidades públicas em Ciências, Matemática e Computação (32,1% para 35,6%), houve redução no número total de formados nessa área nos dois setores, conforme destacado no post anterior.

Em contrapartida, observa-se um aumento de 2 p.p na participação da rede pública na área de Educação, outra área em que houve expansão dos concluintes no EaD. Se, por um lado, há relatos de falta de professores em áreas específicas, por outro, é sabido que a demanda por professores será cada vez menor devido à mudança demográfica.

Em que medida as universidades públicas devem olhar para o contexto econômico na hora de decidir a oferta de vagas e cursos? A formação em STEM (sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), áreas de grande importância neste início de século, tem crescido menos que no setor privado, ainda que o crescimento relativo das duas redes tenha sido semelhante no período. O setor público parece ir na contramão dos países desenvolvidos (leia aqui).

Figura 1 – Porcentagem de concluintes provenientes de universidades públicas por área de formação – 2009 e 2019.

idados

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui