IDados no jornal Estado de S. Paulo: Desemprego é recorde e pode piorar

Com um recorde de 13,8%, no trimestre até julho, o desemprego deve demorar ao menos até 2022 para voltar ao patamar de antes da pandemia da Covid-19.

61
desemprego

O pesquisador Bruno Ottoni, da consultoria IDados, foi fonte para uma matéria sobre o aumento do índice de desemprego veiculada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Com base em dados divulgados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, a reportagem ressalta que em um trimestre, 7,214 milhões de brasileiros perderam o emprego. Em um ano, o total de postos extintos supera os 11,5 milhões. A taxa de desemprego, de 13,8% no trimestre encerrado em julho, ou 13,1 milhões de pessoas, foi a pior desde que a pesquisa foi iniciada, em 2012. No trimestre até julho do ano passado, a taxa era de 11,8%.

Leia também: Volta da procura por trabalho vai impulsionar desemprego no início de 2021

De acordo com Ottoni, “isso, num cenário em que o Produto Interno Bruto (PIB) do País cresça em um ritmo de 3,5% em 2021 e 2022”. O especialista ressalta que ”a desocupação ocorria em ritmo lento, mas os dados de julho assustam. Uma recuperação antes de 2022 é pouco provável.”

Confira a matéria na íntegra aqui ou abaixo:

desemprego

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.