Início Principal Mercado de Trabalho Incertezas internacionais põem em risco atividade econômica e emprego em 2022

Incertezas internacionais põem em risco atividade econômica e emprego em 2022

O ano de 2022 será marcado por estagnação no mercado de trabalho e fraca recuperação do emprego. A taxa de desemprego para dezembro de 2022 deve alcançar o nível de 11,0%, uma queda de apenas 0,1 ponto percentutal (p.p.) em relação ao observado em dezembro de 2021 (Tabela 1). Contribuirá para esta estagnação o baixo crescimento da atividade esperado para o ano, previsto em 0,3%, segundo a projeção mediana dos analistas do Boletim Focus. Trata-se de um crescimento muito inferior aos 4,6% observados em 2021, impulsionado pela forte recuperação de setores afetados pela pandemia.

Este crescimento fraco da atividade para 2022 fará com que o desemprego flutue ao redor de sua tendência sazonal, observando ciclos de aumento no 1º trimestre de 2022 e de queda entre o 2º e o 4º trimestre. Quando analisada a média anual, o desemprego poderá cair fortemente de 13,2% para 11,8%, muito por conta do fato de o desemprego ter saído de um nível elevado no início de 2021.

Deve-se ressaltar, em relação a 2022, que grandes incertezas pairam sobre a atividade econômica no Brasil e no mundo, agravada pelo acirramento do conflito no Leste Europeu. Caso se prolongue por mais meses, o conflito deve agravar ainda mais o quadro inflacionário para 2022, motivando altas mais intensas de Selic pelo Banco Central brasileiro. Com esse contexto, é possível que as perspectivas de atividade e emprego no Brasil sejam ainda mais prejudicadas em 2022, dependendo da concretização de cenários mais pessimistas de inflação e de juros.

Última pesquisa da PNADC revela nova perda dos rendimentos em dezembro

No dia 24/02, quarta-feira, foram divulgados os dados de mercado de trabalho da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC). Os dados da PNADC trazem como maior destaque a forte queda do desemprego, puxada pelo crescimento do emprego informal e pelo aumento sazonal das contratações temporárias na indústria e comércio, em função das festas de fim de ano. Os dados apontaram uma queda do desemprego de 11,6% para 11,1% entre o trimestre móvel encerrado em novembro e o trimestre móvel encerrado em dezembro, um nível inferior ao esperado por analistas para o mês dezembro (11,2%).

Contudo, os dados de dezembro também trouxeram resultados negativos de mais um mês de queda dos rendimentos reais, que já observam um patamar muito inferior ao observado no pré-pandemia (R$ 2600 em fevereiro de 2020), como podemos notar no Gráfico 1. Dois fatores contribuíram para a queda dos rendimentos reais no período analisado no gráfico: i) A queda dos rendimentos nominais médios, em meio à contínua recuperação do emprego das ocupações de menor qualificação e do crescimento do emprego informal após o auge da pandemia; ii) A contínua corrosão do poder de compra dos salários, em meio à aceleração inflacionária em 2021, impulsionada pela desvalorização do real, crise hídrica do setor energético e aumento do preço do petróleo.

Estes dois fatores combinados podem ser observados no Gráfico 2. O referido gráfico mostra que a perda de rendimento real observada entre dezembro de 2020 e dezembro de 2021 foi majoritariamente ocasionada pela inflação. Isso porque a renda real caiu 11,6% no período, sendo que dessa queda total quase 10 pontos percentuais advêm da inflação e somente cerca de 1,6 pontos percentuais advém do comportamento da renda nominal.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile