Mais trabalhadores qualificados estão ganhando um salário mínimo ou menos

Em todos os níveis de escolaridade, a crise acarretou um aumento da proporção de trabalhadores recebendo um salário mínimo ou menos.

752
educação
Saving money concept

Uma elevada proporção dos trabalhadores brasileiros recebe um salário mínimo ou menos. A Tabela 1 mostra que no 2º trimestre de 2019 quase 30% dos trabalhadores brasileiros recebia um salário mínimo ou menos. Porém, este percentual varia bastante de acordo com o grau de escolaridade.

Por um lado, uma elevada proporção dos trabalhadores pouco qualificados (aqueles com até o ensino fundamental completo) recebia, no segundo trimestre de 2019, um salário mínimo ou menos. Mais precisamente, a Tabela 1 mostra que, no 2º trimestre de 2019, mais de 46% dos trabalhadores pouco qualificados recebiam um salário mínimo ou menos.

Por outro lado, apenas uma pequena proporção dos trabalhadores qualificados (com ensino superior) recebia, no segundo trimestre de 2019, um salário mínimo ou menos. A Tabela 1 mostra que, no 2º trimestre de 2019, menos de 11% dos trabalhadores qualificados recebiam um salário mínimo ou menos.

A Tabela 2 procura analisar, para cada nível de escolaridade, como a crise afetou a proporção de trabalhadores que ganham um salário mínimo ou menos. Para isso, a referida tabela compara dados de 2015, primeiro ano da crise, com números de 2019, últimos divulgados. A comparação é feita apenas entre o 2º trimestre de ambos os anos (a fim de controlar para efeitos sazonais).

Os dados apresentados na Tabela 2 mostram que a crise resultou em um aumento na proporção de trabalhadores que recebia um salário mínimo ou menos. Considerando o conjunto de todos os trabalhadores, fica evidente que houve, em decorrência da crise, um aumento de +1,2 pontos percentuais, entre o 2º trimestre de 2015 e o mesmo período de 2019, na proporção de trabalhadores que recebia um salário mínimo ou menos. Isto porque a proporção de trabalhadores que recebia um salário mínimo ou menos passou de 28,7%, no 2º trimestre de 2015, para 29,9%, no 2º trimestre de 2019.

Chama atenção, na Tabela 2, o fato de que a crise afetou negativamente até mesmo os indivíduos mais qualificados (com algum ensino superior). Os números mostram que este grupo registrou, entre o 2º trimestre de 2015 e o mesmo período de 2019, um aumento de +2,5 pontos percentuais na proporção de trabalhadores que recebia um salário mínimo ou menos.

Em resumo, este post mostra que a proporção de trabalhadores que recebe um salário mínimo ou menos varia bastante de acordo com o nível de escolaridade. Por um lado, uma proporção grande dos trabalhadores menos qualificados recebe um salário mínimo ou menos. Por outro lado, uma proporção pequena dos trabalhadores mais qualificados recebe um salário mínimo ou menos.

Finalmente, o texto mostra que a crise afetou negativamente todos os trabalhadores, independentemente do seu nível de escolaridade. Em todos os níveis de escolaridade, a crise acarretou um aumento da proporção de trabalhadores recebendo um salário mínimo ou menos.

[vc_raw_js]JTNDZGl2JTIwY2xhc3MlM0QlMjJpbmZvZ3JhbS1lbWJlZCUyMiUyMGRhdGEtaWQlM0QlMjIyZTc5MjVhYS1jOGE4LTQ3NmMtYmY5Zi00YmJhNDlmY2IzMjYlMjIlMjBkYXRhLXR5cGUlM0QlMjJpbnRlcmFjdGl2ZSUyMiUyMGRhdGEtdGl0bGUlM0QlMjJNYWlzJTIwdHJhYmFsaGFkb3JlcyUyMHF1YWxpZmljYWRvcyUyMGVzdCVDMyVBM28lMjBnYW5oYW5kbyUyMHVtJTIwc2FsJUMzJUExcmlvJTIwbSVDMyVBRG5pbW8lMjBvdSUyMG1lbm9zJTIyJTNFJTNDJTJGZGl2JTNFJTNDc2NyaXB0JTNFJTIxZnVuY3Rpb24lMjhlJTJDdCUyQ3MlMkNpJTI5JTdCdmFyJTIwbiUzRCUyMkluZm9ncmFtRW1iZWRzJTIyJTJDbyUzRGUuZ2V0RWxlbWVudHNCeVRhZ05hbWUlMjglMjJzY3JpcHQlMjIlMjklNUIwJTVEJTJDZCUzRCUyRiU1RWh0dHAlM0ElMkYudGVzdCUyOGUubG9jYXRpb24lMjklM0YlMjJodHRwJTNBJTIyJTNBJTIyaHR0cHMlM0ElMjIlM0JpZiUyOCUyRiU1RSU1QyUyRiU3QjIlN0QlMkYudGVzdCUyOGklMjklMjYlMjYlMjhpJTNEZCUyQmklMjklMkN3aW5kb3clNUJuJTVEJTI2JTI2d2luZG93JTVCbiU1RC5pbml0aWFsaXplZCUyOXdpbmRvdyU1Qm4lNUQucHJvY2VzcyUyNiUyNndpbmRvdyU1Qm4lNUQucHJvY2VzcyUyOCUyOSUzQmVsc2UlMjBpZiUyOCUyMWUuZ2V0RWxlbWVudEJ5SWQlMjhzJTI5JTI5JTdCdmFyJTIwciUzRGUuY3JlYXRlRWxlbWVudCUyOCUyMnNjcmlwdCUyMiUyOSUzQnIuYXN5bmMlM0QxJTJDci5pZCUzRHMlMkNyLnNyYyUzRGklMkNvLnBhcmVudE5vZGUuaW5zZXJ0QmVmb3JlJTI4ciUyQ28lMjklN0QlN0QlMjhkb2N1bWVudCUyQzAlMkMlMjJpbmZvZ3JhbS1hc3luYyUyMiUyQyUyMmh0dHBzJTNBJTJGJTJGZS5pbmZvZ3JhbS5jb20lMkZqcyUyRmRpc3QlMkZlbWJlZC1sb2FkZXItbWluLmpzJTIyJTI5JTNCJTNDJTJGc2NyaXB0JTNF[/vc_raw_js]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui