A concentração do abandono escolar no Brasil

118

A taxa de abandono das escolas brasileiras, que indica o percentual dos alunos matriculados que deixaram de frequentar a escola durante o período letivo, caiu nos últimos anos, porém ainda é um problema a ser enfrentado. Atualmente, a média dessa taxa é de 1,4% para as escolas do Ensino Fundamental e 3,6% para as do Ensino Médio, o que representa cerca de 376 mil e 270 mil alunos por ano, respectivamente. Com o intuito de entender melhor essa questão, este post apresenta a distribuição das taxas de abandono das escolas por região em 2019, e busca mostrar o quão concentrado e desigual é esse problema no Brasil.

A tabela abaixo apresenta a distribuição das escolas de acordo com a taxa de abandono por regiões do país. Ela aponta que o abandono está concentrado em algumas escolas, pois um número considerável não teve nenhum abandono no ano letivo. No Ensino Fundamental, por exemplo, com exceção do Norte, em todas as regiões mais de 60% das escolas não apresentaram nenhum abandono em 2019, o que significa que o abandono se concentrou no restante das escolas (cerca de 40%). No Ensino Médio, nas regiões Centro-Oeste e Sudeste, 50% das escolas concentraram o problema do abandono; no Sul e Nordeste, 75%; e no Norte, 73%.

Além disso, é possível observar pela Tabela que, no Ensino fundamental, as regiões Norte e Nordeste têm maior incidência de abandono que as demais. No Norte, 22% das escolas apresentaram mais de 5% de abandono; no Nordeste, 9%; e nas demais regiões menos que 4%. No Ensino médio, onde o problema é maior, Norte e Nordeste novamente se destacam com a pior situação, com 49% e 32% das escolas respectivamente apresentando mais que 5% de abandono. Isso significa que nessas escolas, de cada 20 alunos, ao menos um aluno abandonou a escola em 2019.

Em resumo, o que os dados apontam é que há uma certa concentração do abandono em algumas escolas, que o problema das escolas que registram abandono é maior do que sugere a média geral e que as regiões Norte e Nordeste sofrem mais com essa questão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.