Desigualdades do rendimento do trabalho

No Brasil, os trabalhadores situados entre os 10% com maior rendimento recebem acima de R$ 4.255,65 por mês, enquanto os situados entre os 10% mais pobres recebem até R$ 439,36, uma diferença de quase 10 vezes.

649
rendimento do trabalho

Recentemente foi publicado pela ONU o novo relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre a desigualdade de renda no Brasil e no mundo. Segundo a OIT, os 10% dos trabalhadores mais ricos do país em 2017 concentravam 41,3% de toda renda salarial. Neste post, vamos analisar a distribuição de rendimentos no Brasil sob uma ótica diferente: fixando diferentes níveis salariais, iremos determinar a proporção de indivíduos com vencimentos inferiores a cada um dos valores estabelecidos.

Utilizamos os dados da PNAD contínua anual (IBGE) referentes aos rendimentos habituais de todos os trabalhos (IBGE) no período de 2012 a 2018 (últimos disponíveis). Para avaliar a evolução da distribuição de rendimentos ao longo do tempo, optamos por considerar um conjunto de anos.

O quadro abaixo mostra, na primeira coluna, os valores estabelecidos de rendimentos (a preços de 2018) considerados. Ou seja, a primeira coluna apresenta o nível de rendimento correspondente aos percentis 1, 10, 25, 50, 75, 90 e 99 em 2012. Na segunda coluna aparece a proporção de indivíduos que receberam, em 2012, rendimentos iguais ou inferiores a cada um dos valores estabelecidos. Assim, em 2012, 50% dos trabalhadores ocupados ganhavam até R$ 1.252,70 e, analogamente, 99% dos ocupados ganhavam até R$ 14.816,79, ou, visto de outra forma, somente 1% dos ocupados ganhavam mais de R$ 14.816,79 naquele ano. As demais colunas apresentam os percentuais, ano a ano, até 2018 (dados mais recentes).

Entretanto, chama a atenção o fato de ter havido uma queda de 6 pontos percentuais na parcela de trabalhadores que ganhavam até R$ 881,91 – eles eram 25% em 2012 e passaram para 19% em 2018. Outra queda significativa foi na parcela de trabalhadores que recebiam até R$ 1.252,70. Em 2012, eles eram 50% dos ocupados e, em 2018, 47%.

De fato, houve um ganho no rendimento médio do trabalho no período, o que explicaria a redução percentual observada. Entretanto, vale notar que a distribuição dos rendimentos entre os trabalhadores não parece ter se alterado muito no período.

Na consulta abaixo, você pode localizar sua posição na distribuição de rendimentos em 2018.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui