Com a crise da covid-19, trabalhadores com menos escolaridade tiveram queda de rendimentos de até 25%

Para o grupo com até o ensino fundamental incompleto, a queda foi maior. A redução foi de 25% em maio e 24% em junho.

covid-19 e trabalhadores

O cenário de crise relacionada à pandemia de covid-19 tem afetado os grupos de trabalhadores de forma distinta. Como vimos aqui e aqui, os trabalhos com a maior proporção de afastados foram os de ocupações com mais baixa escolaridade e, com a reabertura da economia, o desemprego voltou a subir principalmente entre os jovens, pobres e negros.

Neste levantamento, analisamos se a crise da covid-19 acarretou uma queda nos rendimentos dos trabalhadores ocupados, e se essa queda variou de acordo com os níveis de escolaridade. O período de referência são os meses de maio e junho de 2020.

Com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid19 (PNAD Covid19), observamos que, em maio e junho de 2020, houve uma queda de 17% a 18% nos rendimentos de todos os trabalhadores ocupados. Desde 2012, segundo a PNAD Contínua, havia uma estabilidade nos rendimentos recebidos nos meses de maio e junho, sendo a maior variação registrada em 2015 (queda de 3%).

No entanto, para o grupo com até o ensino fundamental incompleto, a queda foi ainda maior. A redução nos rendimentos desse grupo foi de 25% em maio e de 24% em junho. Já nos grupos com maior escolaridade, essa queda foi menos expressiva. No caso do grupo com ensino superior completo ou pós-graduação, a queda foi de 15% e 13%, respectivamente.

Assim, os dados mostram que, no período de crise marcado pela covid-19, houve uma queda de rendimento dos trabalhadores ocupados, e que os trabalhadores menos instruídos foram os mais afetados, apresentando uma queda de rendimentos maior na comparação com os mais escolarizados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.